subscribe: Posts | Comments

História e Cinema

0 comments

  –  Unila sedia encontro internacional sobre o binômio. Colóquio reúne conferências, comunicações, projeções de filmes e lançamentos de livros  –

 

Cena de “Deus e o diabo na terra do sol”, filme brasileiro de 1964, dirigido por Glauber Rocha (Foto: Reprodução)

 

.
A Unila (Universidade Federal da Integração Latino-Americana) sedia, de 4 a 7 de dezembro, o III Colóquio Internacional de Cinema e História, no campus Jardim Universitário. A programação reúne conferências, comunicações, projeções de filmes e lançamentos de livros.
.
O objetivo do evento é fomentar o debate sobre as diferentes metodologias de estudo que combinam a análise estética das obras audiovisuais com preocupações historiográficas. Os debates consideram o filme em seu potencial como fonte para o conhecimento histórico.
.
Promovido pelo Grupo de Pesquisa CNPq “Núcleo de Arte e Tecnologia Latino-Americano” (NATLA), da Unila, o colóquio conta com a parceria do Grupo de Pesquisa CNPq “História e Audiovisual”, da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).
.
Desde a primeira edição, em 2016, o colóquio aborda temas como a representação da história no cinema e as confluências entre pesquisa histórica e análise fílmica. O evento trata também de cinema, arquivos e os regimes de historicidade, e história e historiografia do cinema.
.
Professora do curso de Cinema e Audiovisual da Unila, Virginia Flores é uma das líderes do NATLA e atua há mais de 30 anos com edição cinematográfica. Ela enfatiza que o colóquio mergulha nas relações entre história e arte.
.
“O III Colóquio Internacional de Cinema e História tem como linhas de pesquisa as questões históricas que permeiam a construção da arte através de diversas tecnologias, atuais ou antigas, articulando o homem, a sociedade e seu tempo”, frisa.
.
Os comunicadores e palestrantes do colóquio representam 41 universidades ou centros de pesquisa, sendo 8 estrangeiros – de países como Argentina, Chile, Equador, Estados Unidos, entre outros –  e 33 nacionais, situadas em todas as regiões brasileiras.
.
Início dos trabalhos – 
Nesta terça-feira, 4, às 16h30, acontece a projeção do filme “Vozes da resistência”, às 16h30. Em seguida, às 17h, ocorre a mesa inaugural e a conferência de abertura com Pablo Piedras, da Universidad de Buenos Aires. As atividades são no Auditório Martina.
.
O tema da conferência de Pablo Piedras é “Ni vencedores ni vencidos (Naum Spoliansky y Alberto Cabado,1972): pieza perdida del documental político argentino”.  O debate será mediado por Eduardo Dias Fonseca, docente da Unila.
.
PROGRAMAÇÃO:
.
4 de dezembro, terça-feira
15h
Credenciamento
16h30
Projeção do filme Vozes da resistência (Comissão da Verdade em
Minas Gerais. Fernanda Sanglard; Victor Zaiden, 2018)
17h
Mesa de abertura: Carolina Amaral de Aguiar (UEL), Ignacio Del Valle
Dávila (UNILA), Virgínia Flores (UNILA), Eduardo Morettin (USP)
18h
CONFERÊNCIA DE ABERTURA
“Ni vencedores ni vencidos” (Naum Spoliansky y Alberto Cabado,
1972): pieza perdida del documental político argentino
Prof. Pablo Piedras (Universidad de Buenos Aires) – Mediação: Eduardo Dias Fonseca (UNILA)
  • 19h30 – Coquetel de boas-vindas
    Universidade Federal da Integração Latino-Americana
  • .
    5 de dezembro, quarta-feira
8h30 -10h
Sessão 1 – Narrativas e memórias da repressão
Cristiane Aparecida Fontana Gümm (UFSC) – La Batalla de Chile: o
testemunho no cine documental de Patricio Guzmán
.
Moisés Carlos Ferreira (PUC-SP) – O documentário “El Botón de Nácar” e a repressão na América Latina
.
Rodrigo Almeida (UFRN) – A crença na imagem e o olhar da ficção em “O ato de matar”, de Joshua Oppenheimer
  • 8h30-10h
Sessão 2 – Projetos industriais no cinema brasileiro
Lívia Maria Gonçalves Cabrera (UFF) – A flama viva do cinema
nacional: a produção de Inconfidência Mineira (Carmen Santos, 1948)
e a relação entre Estado e cinema
Vitor Ferreira Pedrassi (UFSCar) – A historiografia sobre a Sonofilms: uma análise sobre a era dos estúdios do cinema brasileiro
Bruno José Zeni (UNESP) – A construção do inimigo nas películas Batalha de Guararapes (1978) e De Cara Al Cielo (1979) durante as Ditaduras Militares brasileira e argentina
.
10h-10h30 – intervalo
.
10h30-12h
Sessão 3 – Filme de arquivo e imagens reencontradas
. Vanessa Maria Rodrigues (UFJF) – As muitas camadas de uma imagem de arquivo
. Miguel Alfonso Bouhaben (Universidad de las Artes) – Re-montar la historia. Intervenciones en la esfera pública guayaquileña a través de la proyección de archivos históricos audiovisuales
. Cid Vasconcelos (UFPE) – Ressignificando Imagens de Fundação
.
10h30-12h
Sessão 4 – Visualidades urbanas e experimentação
. Iomana Rocha (UFPE) – Panorama dos transbordamentos: uma observação histórica e estética sobre os “outros cinemas pernambucanos”
. Rosane Kaminski (UFPR) – A expansão dos curtas-metragens no Brasil entre 1986 e 1994 e algumas pistas de violência
. Guilherme Muniz Safadi (UFF) – Crime, centro e periferia: interfaces e circularidades entre O invasor e expressões do rap em São Paulo
 12h-14h – pausa para o almoço
.
14h-16h
Sessão 5 – Cinema e intervenção política

“O Homem Anfíbio”, filme soviético, do período da Guerra Fria.

. Marcos Napolitano (USP) – Ficção científica, exotismo e Guerra Fria: “O Homem Anfíbio” (1961)
  • . María Valeria Galván e Marina Moguillansky (CONICET/Universidad Nacional de San Martín) – Escenas de la Alemania nazi en las pantallas porteñas (1933-1945)

    . Rubén García López (Fondecyt/Espanha) – Historiar el presente (Con uñas y dientes, Paulino Viota, España, 1977)

  • . Lúcia Ramos Monteiro (USP) – A força política da apresentação artística
.
14h-16h
Sessão 6 – Afrod
Universidade Federal da Integração Latino-Americana 21
. Renata Melo Barbosa do Nascimento (UnB) – Representações de mulheres negras: literatura de Jorge Amado nas lentes do cinema (1935-2011)
. Natacha Muriel López Gallucci (UFCA) – Estudios comparados de cine clásico de Brasil y de Argentina: argumentación histórica en las representaciones fílmicas de la cultura popular afrodescendiente
.
16h-16h30 – intervalo
.
16h30-18h
Sessão 7 – Performance, corpos e política
. Sancler Ebert (UNICEP) – Darwin, o imitador do belo sexo, na programação: uma análise da relação entre palco e tela nos cineteatros cariocas em 1922
. Carolina de Oliveira Silva (Universidade Presbiteriana Mackenzie) – Experimentação, corporeidade e abjeção: outros delírios possíveis em “Quem é Beta?”(1973) de Nelson Pereira dos Santos
. Victor Santos Vigneron (USP) – Erotismo na mediocridade, uma trajetória do cinema brasileiro
.
16:30-18h
Sessão 8 – Festivais, mostras e instituições
. Alexandre Sônego de Carvalho; Jane Mary Pereira de Almeida (Universidade Presbiteriana Mackenzie-CAPES/PUC-SP) – Etnografia do Cinema Nacional: a importância do MIS-Campinas como instituição arquivística e o regime de historicidade da memória audiovisual museológica
. Emerson Dylan (UNIFESP) – Cinema, diplomacia e resistência: os primeiros anos da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (1977-1983)
Juliana Muylaert (UFF) – Festivais de filmes como objeto do historiador: questões para a relação entre história e cinema
.
 18h-18h30 – intervalo
.
18h30-20h
Conferência plenária
– Intercambios cinematográficos entre México y Argentina en el periodo clásico – Prof. Isaac León Frías (Pontificia Universidad Católica del Perú). Mediação: Ignacio Del Valle Dávila (UNILA)
6 de dezembro, quinta-feira
8h30-10h
Sessão 9 – Cinema brasileiro nos anos 1960 e 1970
. Antônio da Silva Câmara; Bruno Vilas Boas Bispo;
. Caroline de Araújo Lima (UFBA) – Cinema como expressão política: arte e engajamento (1960-1970).
. Arthur Gustavo Lira do Nascimento (UFPE) – A Cabra na Região SemiÁrida (1966): paisagens do Nordeste no documentário de Rucker Vieira
. Liciane Timoteo de Mamede (UNICAMP) – O papel desempenhado pela Cinemateca do MAM-Rio na difusão dos filmes do chamado Cinema Marginal Brasileiro
.
8h30-10h
Sessão 10 – Historiografia do cinema silencioso brasileiro
. Nezi Heverton Campos de Oliveira (UFF) – A Bela Época do Cinema Brasileiro: (des)caminhos de uma trajetória historiográfica
. Felipe Davson Pereira da Silva (UFPE) – O cinema Desembarca na Veneza Brasileira: Recife na Rota do Cinematógrafo
. Ingrid Hannah Salame da Silva (UNICAMP) – Considerações sobre O progresso da ciência médica em Pernambuco e o preconceito racial no Brasil
.
10h-10h30 – intervalo
.
10h30-12h
Sessão 11 – Cinefilia e circulações em meados do século XX
. Estevão Garcia (IFG) – O neorrealismo na América Latina na encruzilhada
. Euclides Santos Mendes (UESB) – Neorrealismo e cinema na Bahia: a configuração de um ideário ético-estético e o Ciclo Baiano de Cinema
. Luiz Ancona (USP) – A chinesa (1967) de Jean-Luc Godard e a recepção da crítica no Brasil: a conjuntura 1968 em perspectiva transnacional
.
10h30-12h
Sessão 12 – Cinema silencioso nas Américas: poesia, documento e resistência
. Edileuza Penha de Souza (UnB) – Oscar Micheaux e o cinema negro estadunidense
. Ciro Inácio Marcondes (PUC-DF) – A poesia redime o medium – Chaplin e Feuillade no cinema silencioso
. Eduardo Baggio (UNESPAR) – As imagens no cinema de Arthur Rogge
.
12h-14h – pausa para o almoço
.
14h-16h
Sessão 13 – Arquivos, memória e preservação
. Fabián Rodrigo Magioli Núñez (UFF) – Cinemateca do MAM e Cinemateca Uruguaia: resistência cultural nos anos de chumbo
. Jorge Iturriaga (Universidad de Chile) – El Consejo de Censura Cinematográfica de Chile entre 1960 y 1973: construyendo una base de datos
. Paulo Cunha e Ana Farache (UFPE) – O conceito de preservação ativa e a implantação da Cinemateca Pernambucana: discussão de um trabalho em processo
. Eduardo Morettin (USP) – Instituições cinematográficas: arquivos, memória e preservação
.
14h-16h
Sessão 14 – Audiovisual, crítica e imprensa
. Fábio Raddi Uchôa (Universidade Tuiuti do Paraná) – Dimensões biográfico-apologéticas em Almeida Salles – a crítica de cinema em O Estado de S. Paulo
. Pedro Plaza Pinto (UFPR) – O Cinema Novo e Paulo Emilio: camadas de tempo
. Paula Halperin (SUNY Purchase) – Entre a invasão dos “capitais alienígenas” e a modernização da televisão: CPI e debates públicos em torno ao acordo Globo/Time-Life, 1962-1969
. Danielle Crepaldi Carvalho (USP) – Intercâmbios entre a crítica e a realização, o nacional e o estrangeiro, no audiovisual brasileiro dos anos de 1940-1970
.
 16h-16h30 – intervalo
.
16h30-18h30
Lançamento de livros
 .
18h30-19h Intervalo
.
19h-20h30
Conferência plenária
– Ficção televisiva e história: questões para um debate –
. Profa. Mônica Almeida Kornis. Mediação: Tainá Xavier (UNILA)
Universidade Federal da Integração Latino-Americana 25
.
7 de dezembro, sexta-feira
8h30-10h
Sessão 15 – Cinema, guerra e violência política
. Gabriel Bueno Lisboa (UNICAMP) – De Revoluções Marxistas a “Estratégias de Tensão”: orientações políticas no cinema popular italiano
. Ernando Brito Gonçalves Junior (UNICENTRO) – Cinema e Revolução Mexicana: representações de um confronto
. Douglas Alves Moreira (UNIMONTES) – A noção de representação na animação Der Fuehrer’s Face, de 1943, de Walt Disney, durante a Segunda Guerra Mundial

.
8h30-10h
Sessão 16 – Representações das culturas tradicionais latinoamericanas
Lenin Santiago Molina Andrade (Universidad de Guayaquil) – La representación del otro en las filmaciones realizadas por Watson Kintner en Ecuador, año 1949
. Juliano Gonçalves da Silva (UERJ) – O personagem indígena latinoamericano desde a marginalização e a barbárie
. Maria Ignês Carlos Magno (Anhembi-Morumbi) – Como se fosse uma saga: os índios na cinematografia de Silvio Back

.
10h-10h30 – intervalo
.
10h30-12h
Sessão 17 – Mídia e poder no cinema contemporâneo
. Fabio Nigra (Universidad de Buenos Aires) – Too Big to fail, o cómo los honestos ejecutivos especularon en la cubierta del Titanic
.
26 III Colóquio Internacional Cinema e História
. Rodrigo Ribeiro Paziani (UNIOESTE) – Dos Entreatos à Vocação do poder: uma análise fílmica das relações entre poder, hegemonia e disputas políticas na história do Brasil recente
. Márcia Neme Buzalaf (UEL) – É tudo verdade?: narrativas audiovisuais sobre a memória da imprensa alternativa no documentário “Pasquim – a subversão do humor” (2004)

.
10h30-12h
Sessão 18 – Dimensões da linguagem cinematográfica
. Alexandre Rafael Garcia (UNESPAR/UFPR) – Filmes de conversação: uma proposta
. Rafael Morato Zanatto (UNESP) – No gabinete de Robert Wiene: recepção crítica e histórica ao caligarismo
. Pablo Gonçalo (UNB) – Quais seriam os lugares dos roteiros (não filmados) na história do cinema?

.
12h-14h – pausa para o almoço

 

.
14h-16h
Sessão 19 – Práticas pedagógicas do cinema
. Erika Zerwes e Iara Lis Schiavinatto (USP/UNICAMP) – O primeiro cinema em sala de aula e a noção de cultura visual como instrumento interpretativo
. Thaís Blank (CPDOC-FGV) – Pedagogias do arquivo: novos olhares sobre velhas imagens em oficinas de produção audiovisual
. Macelle Khouri Santos (UFSC/UESC) – Entre magia e tecnologia: a ciência no cinema infantil brasileiro
. Mariana Villaça (UNIFESP) – Alianças e desencontros das esquerdas nos documentários latino-americanos e Festivais em 1968/1969: a pedagogia da revolução nas telas
.
14h-16h
Sessão 20 – Violência, trauma e testemunhos
. Patrícia Kruger (USP) – Fendas reacionárias na insubordinação: o anti-ilusionismo revelador dos filmes If…(1968) e Oh, Lucky Man! (1973), de Lindsay Anderson
. Fernando Seliprandy (USP) – Perpetradores no cinema sobre as ditaduras do Cone Sul: do arquétipo ao círculo íntimo
. Rogério Ivano (UEL) – Cinema, memória e esquecimento em três filmes de guerra: Valsa com Bashir, Ararat e Katyn
.  Lior Zylberman (Universidad de Buenos Aires) – Cine Documental y Genocidio: retórica, motivos y funciones
.
16h-16h30 – intervalo
.
16h30-18h30
Sessão 21 – Figurações da História no Cinema
. Luís Fernando Severo (UNESPAR) – Um rei em múltiplas visões: aproximações fílmicas à trajetória de Ludwig II
. Wallace Andrioli Guedes (UFJF) – Joaquim (2017), de Marcelo Gomes: Tiradentes nas telas, entre o passado e o presente
. Roberto Abdala Jr. (UFG) – Bakhtin e a arte de colocar a vida em cena como questão histórica: possibilidades das Performances Culturais
.
16h30-18h30
Sessão 22 – Cinema e História dos Estados Unidos
. Luiz Felipe Rocha Baute (UNICAMP) – Propostas trágicas no western contemporâneo: uma análise de “Onde Os Fracos Não Têm Vez”
. Caroline Liamare Magnaguagno Pereira (UNICAMP) – O olhar de Scorsese sobre a sua geração: uma análise das personagens femininas no primeiro cinema de Scorsese
. Flávio Vilas-Bôas Trovão (UFMT) – Uma escola em risco: cinema e educação nos Estados Unidos dos anos 1980
. María Florencia Danamo; Leandro Della Mora (Universidad de Buenos Aires) – Vietnam por Oliver Stone
 .
18h30-19h Intervalo
.
19h-20h30
Conferência de encerramento
“Procesos de descentralización de la producción audiovisual argentina ‘ – Profa. Clara Kriger (Universidad de Buenos Aires) – Mediação: Carolina Amaral de Aguiar (UEL)
.
Lançamentos de livros – 6 de dezembro (quinta-feira), às 16h30, no Auditório Martina
“A formação de um cineasta: Sylvio Back na cena cultural de Curitiba nos anos 1960”, de Rosane Kaminski
. “A História das Américas através do Cinema, organizado por Alexandre Guilherme da Cruz Alves Jr. e Flávio Vilas-Bôas Trovão
. “A trail of fire for political cinema. ‘The hour of the furnaces’ fifty years later”, organizado por Javier Campo e Humberto Pérez-Blanco Bristol.
. “Arquivos em Movimento: seminário internacional de documentário de arquivo”, organizado por Adelina Novaes e Cruz, Arbel Griner, Patrícia Machado e Thaís Blank.
. “Conozco la canción. Melodías populares en los cines posclásicos de América Latina y Europa”, organizado por Pablo Piedras e Sophie Dufays.
. “Contos morais e o cinema”, de Éric Rohmer, de Alexandre Rafael Garcia.
. “Cultura Visual. Imagens na modernidade”, de Iara Schiavinatto e Erika Zerwes.
. “Hablemos de Cine (Antología) Volumen 2”, de Isaac León Frías e Federico de Cárdenas.
. “Imagem e História”, organizado por Patrícia Kruger e Marcos Fabris.
. “Imágenes y públicos del cine clásico argentino”, de Clara Kriger.
. “Más allá de las lágrimas. Espacios habitables en el cine clásico de México y Argentina”, de Isaac León Frías.
. “O cinema e as ditaduras militares: contextos, memórias e representações audiovisuais”, organizado por Eduardo Morettin e Marcos Napolitano.
. “Revisitar a Teoria do Cinema – Teoria dos Cineastas (Vol. 3)”, organizado por André Rui Graça, Denize Araujo, Eduardo Baggio e Manuela Penafria.
. “São Bernardo: um estudo de cinema e história”, de Maurício Cardoso.
. “Tempo de Guerra. Cultura visual e cultura política nas fotografias dos fundadores da agência Magnum, 1936-1947”, de Erika Zerwes.

_______________________
Paulo Bogler

468 ad

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *