subscribe: Posts | Comments

leader

Réveillon

0 comments
Um poema e uma fotografia de Negendre Arbo
Céu na costa do Paraná (Foto: Negendre Arbo)

Quando a aurora inaugurar o novo ciclo
eu quero estar sentado na varanda,
vendo amanhecer com olhos de criança,
as luzes coloridas do primeiro dia.

E que o tempo, este potro selvagem,
ao passar por mim em seu galope,
o passado vá deixando no caminho.

A aventura de viver é uma viagem
que exige força, coragem, e sorte,
pois o futuro é vida mas também é morte.
Um jogo de azar criado por um deus mesquinho

Enfim, que o novo ano seja um tempo de esperança
e que os desafios sejam as lições que aprenderemos,
pois se esta vida nos foi dada de presente,
então que viver seja motivo de alegria.

Amanhã quem sabe o que trará o dia?
Pra onde nos leva esta constante viagem?
Não importa o destino imprevisível,
mas o desfile interminável das paisagens.

Minha vida é um cavalo selvagem
a galopar veloz na pradaria
Perseguindo os sucessivos horizontes
e as auroras que anunciam cada dia

O tempo é um grande rio cruel e caudaloso
Capaz de devorar incautos viajantes
O futuro é um lugar misterioso
E o passado é um porto sempre mais distante

Minha vida é um cavalo selvagem
Montado por um louco cavaleiro andante

______________________
Negendre Arbo, músico em Foz do Iguaçu, Pr.

468 ad

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *