subscribe: Posts | Comments

leader

Aquele abraço

0 comments


Os novos estudantes da Unila foram recebidos com informação, diversão e companheirismo. A recepção aos calouros 2019 teve apresentações sobre a Universidade Federal da Integração Latino-Americana, rodas de conversa, oficinas e muita interação com os veteranos. –

Uma das visitas foi às instalações do PTI. (Fotos: Secom Unila)

Os primeiros momentos dos calouros com a UNILA, nos dias 7 e 8 de março, foram preenchidos por muita informação sobre a nova “casa” e rotina dos estudantes, mas também foram marcados por muita emoção e diversão. Veja mais fotos da recepção

A emoção ficou a cargo do artista plástico haitiano Dady Simon, que presenteou a UNILA com um quadro, em agradecimento à Universidade que passa a ser sua. A entrega do presente foi feita durante a apresentação do Instituto Latino-Americano de Arte, Cultura e História (ILAACH), na recepção de calouros. Simon é calouro de Letras – Artes e Mediação Cultural.

Quadro em agradecimento à universidade.

O sonho de ser “unileiro”, no entanto, começou em 2015, quando veio a Foz do Iguaçu para tentar uma vaga na Universidade, mas não conseguiu. Ele participava de eventos, no Jardim Universitário, recitava poesias e já compartilhava sua arte na cidade. E seguia com o sonho, agora concretizado. “A minha presença aqui foi a partir de muita luta. E é um grande orgulho poder acompanhar uma universidade que integra muitas nações”, afirma.

Foi inspirado nessa integração que ele desenhou o quadro. O discente conta que a obra presenteada traz um conjunto de continentes – que inclui a América Latina e a África –, com representações de uma diversidade de cores e pessoas, com olhos fechados, além de flechas em duas direções. “Isso é uma forma de mostrar que estamos aqui para abrir horizontes, captar aprendizados e também para compartilhar, cada um com sua cultura, um abrindo os olhos do outro, nessa diversidade de cores, em uma só instituição”, explica.

Wendy Dedeu trouxe de Havana, Cuba, o sonho de cursar Medicina no Brasil

A integração, um dos pilares da UNILA, atraiu Simon. Para a estudante Wendy Dedeu, a interdisciplinaridade, outro pilar da Universidade, foi o que a motivou. Wendy é cubana e trouxe de Havana o sonho de cursar Medicina no Brasil. Ela chegou a iniciar um curso na área médica, ainda em sua cidade, mas escolheu a UNILA para seguir os estudos, sobretudo, pela interdisciplinaridade. A discente participava, na quinta-feira (7), de atividades do curso de Letras – Artes e Mediação Cultural. “Em Cuba, havia uma metodologia de ensino com que não me identificava muito, porque era muito disciplinar. E me interessei pela UNILA pela interdisciplinaridade, que permite trabalhar diversas coisas sobre uma mesma questão”, avalia.

Veteranos comprometidos

Os estudantes contam com ajuda dos veteranos para começar uma nova etapa de vida, agora como universitários. O colombiano Steev Rodríguez saiu de Cáli para estudar Cinema e Audiovisual. Ele conta que, na chegada, foi recepcionado por um veterano do Peru, do curso de Serviço Social. “Me hospedei na casa dele e já vamos dividir moradia”, relata o calouro, que diz estar com muitas expectativas quanto à Universidade. “A UNILA me oferece a multiculturalidade, a oportunidade de fazer pesquisa sobre a cultura, o cinema e o pensamento artístico latino-americano”, diz.

A ajuda dos veteranos e as expectativas de conviver com esse ambiente multicultural também motivaram a estudante mexicana Ashli Martinez a vir à UNILA. Caloura do curso de Biotecnologia, ela lançou uma voz de “socorro” nas mídias sociais, na tentativa de buscar local de moradia em Foz do Iguaçu. Ashli foi escutada pela compatriota Eilee Gonzáles, veterana do curso de Letras – Artes e Mediação Cultural. “Fiquei preocupada por ela não ter onde ficar e me lembrei de quando cheguei na cidade. Pra mim foi mais fácil porque já tinha moradia, e queria que a colega tivesse uma boa experiência também. E pelo fato de ela ser mulher, também houve uma empatia maior”, conta Eilee.

Para Ashli, foi um “encontro muito bonito”, uma vez que a recepção tornou-se mais calorosa pelo fato de a ajuda ter vindo de uma estudante do mesmo país que o seu. “Já vim com a ideia de ter ajuda de uma mexicana, pra conhecer a cidade, o transporte e também na questão do idioma”, diz.

Durante as atividades de recepção, houve espaço também para a divulgação das atléticas, que são organizadas pelos estudantes dos cursos de graduação. “Realizamos uma conversa com os calouros para apresentar o que são as atléticas. Entre as atividades que desenvolvemos nas atléticas estão práticas esportivas e festas para descontração e integração dos estudantes”, afirma o estudante de Engenharia Civil de Infraestrutura Douglas Scherer, que é membro da Associação Atlética Acadêmica de Engenharias e Arquitetura da UNILA.

Mudanças
Roda de conversa entre calouros e veteranos de Ciências Biológicas

Estar em uma nova cidade, sem saber onde morar ou utilizar o transporte público, também foi um desafio para Vinícius da Silva, estudante do terceiro semestre de Ciências Biológicas. Ele integrou um grupo de veteranos que se inscreveu para ajudar os novos estudantes da UNILA. O grupo realizou uma roda de conversa com os calouros para falar de experiências no curso e, ainda, para conhecer uns aos outros. “Os calouros chegam tendo uma visão de que o curso vai ser mais fácil do que é. A gente tenta tranquilizar, mas de forma que não fiquem só na zona de conforto, para que se sintam mais empenhados. Compartilhamos os pontos positivos e também as dificuldades que tivemos”, conta Vinícius.

Institutos

O primeiro dia de aulas foi reservado à apresentação dos cursos pelos Institutos. Letícia Engel, caloura de Ciência Política e Sociologia, acompanhou atenta a apresentação realizada pelos docentes do Instituto Latino-Americano de Economia, Sociedade e Política (ILAESP). “Essas ações de recepção estão sendo importantes para conhecer a estrutura física e para entender toda a história da UNILA”, ressalta. “Já faz um tempo que sigo a UNILA nas redes sociais, e eu sempre me interessei muito pelo método da Universidade e pela ideia da integração. A convivência com estudantes de diversos países, com certeza, irá contribuir para minha formação de diversas maneiras, para eu entender realidades diferentes e conhecer novas culturas, principalmente”, completa Letícia.

Além do ILAESP e do ILAACH, houve apresentações feitas pelo Instituto Latino-Americano de Tecnologia, Infraestrutura e Território (ILATIT) e pelo Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e da Natureza (ILACVN).
Os estudantes puderam participar, ainda, de oficinas com orientações sobre a rotina universitária; mesas de debate; atividades de recepção por parte dos veteranos, centros acadêmicos e atléticas; e visitas guiadas ao PTI (laboratórios, salas de aula, restaurantes, auditórios e demais estruturas) e à Biblioteca da UNILA (BIUNILA).

____________________________
Assessoria

468 ad

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *